[luzes.org] Relacionamento entre Pais e Filhos 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre Cotidiano
Artigo (veja mais 3 artigos nesta área)

Relacionamento entre Pais e Filhos

Este e um assunto um pouco polemico, mas gostaria que vocês prestassem um pouco de atenção ao que passo a escrever justamente sobre a relação que todos os pais, tem com seus filhos....

Logicamente todos os pais dizem que esta relação e saudável, e boa, e muitos dizem que não podem dar espaço para o filho ou filha, senão a coisa pode ficar muito ruim, até porque a nossa sociedade hoje não esta fácil de conviver...

Mas prestem atenção, até porque mesmo todos os pais, fazendo vigília com os filhos, observem o que eles fazem, observem como nossa sociedade anda hoje em dia...

Fica muito fácil para todos, simplesmente virarem e dizerem, isso só acontece na casa dos outros, aqui dentro eu não permito que isso aconteça, mas passa o tempo e acontece... e ai ???? - como vai ficar esta relação....

Justamente na hora que os filhos mais precisam dos pais, estes viram as costas... Será esta atitude correta????

Porque será que isso aconteceu justo na nossa casa???
Será que e castigo de Deus....
Vamos escutar muito disso, e estas são somente algumas das frases mais usadas, depois que algo que não queríamos acontece....
Vamos tentar entender, o porque isso acontece.....

Talvez o problema mais grave dos pais seja, exatamente, fazer aquilo que acham melhor para seus filhos.

Se ao menos eles fizessem apenas o que é bom para os filhos, talvez o prejuízo não fosse tão grave quanto buscarem sempre fazer o melhor para os filhos.

O problema é que melhor na opinião dos pais, não significa necessariamente mais correto, adequado e sensato.

A dúvida que surge nessa postura, é sobre o conceito do que seria, exatamente, esse melhor, melhor em que sentido; melhor para o bem estar do pai, do filho, da família, melhor emocionalmente, financeiramente, culturalmente, melhor para a saúde... e assim por diante.

Muitas vezes é melhor que a filha fique em casa à noite, porque é melhor para o sono, bem-estar e tranqüilidade dos pais. Pelas mesmas razões, é melhor que os filhos não bebam, não dirijam, não namorem quem eles querem, e assim por diante...

O velho chavão “faço o que é melhor para vocês”, que brota das palavras de todo pai ou mãe que se preza, deveria ser corretamente interpretado como sendo; “faço para vocês o que é melhor para mim”.

O simples fato de presentear os filhos pode dar a falsa idéia de que isso é bom para eles, quando, na realidade, poderia estar satisfazendo a necessidade de bem-estar dos pais, ao se saberem “bonzinhos”, atenciosos, carinhosos, responsáveis.

Vejamos a questão do beijo, por exemplo; muitas vezes o beijo apraz muito mais quem está beijando (pais) do que quem está sendo beijado (filhos), portanto, talvez quem beija com a intenção de doar afeição e carinho esteja, de fato, se apossando de afeição e carinho para si.

Um dos exemplos de que o melhor para os pais nem sempre se compatibiliza com o melhor para os filhos, é a tendência constante dos pais proibir nos filhos uma série de atitudes que eles mesmos tomavam em outras épocas, quando tinham a idade dos filhos.

Como regra geral, os pais tendem a aplaudir o comportamento “correto” dos filhos. De fato, muitas vezes estão se aplaudindo por se sentirem importantes como pais de uma criança inteligente, bem dotada, que auxiliam nas tarefas domésticas ou nos negócios.

Sentem que sua função de pais, geneticamente perfeitos, educadores eficazes, moralmente atuantes foi satisfatória a ponto de merecer aplausos.

Pais fazem mal aos filhos?
Não. De modo geral os pais não prejudicam os filhos, mas, de modo particular, muitos o fazem.

Os pais encorajam seus filhos a trilharem caminhos que, de acordo com sua visão do mundo e sua teoria de vida, supostamente lhes trariam bem estar e sucesso. "Trabalhe duro", "Seja uma boa menina", "Economize seu dinheiro", "Seja sempre pontual", “Tire sempre boas notas”, etc.

Na realidade, pode ser que estejam re - transmitindo chavões que se repetem por gerações, estejam fazendo algo no sentido de não se sentirem omissos por deixar de passar recomendações tidas, familiarmente, como indispensáveis ao sucesso (talvez mais dos pais, que dos filhos).

Mas, recomendações desse tipo não costumam resistir ao simples questionamento do tipo “porque”; “porque devo trabalhar duro?”, “porque ser sempre pontual?”, “porque tirar sempre boas notas?”.


Seria realmente impossível não trabalhar duro, mas o suficiente?
Seria impossível ser uma menina normal, nem boa e nem má?
Seria impossível tirar notas médias e, simultaneamente, ser feliz?

Ficará claro que a intenção dessas recomendações é apenas no sentido de prevenir futuros sentimentos de omissão.

As respostas aos porquês costumam se resumir em um incisivo “Porque é bom”, seco e conclusivo.

Talvez recomendações desse tipo sirvam mais ao desenvolvimento de eventuais complexos de culpa e de fracasso nos filhos, do que ao sucesso deles, propriamente dito.

Existem muitos trabalhos sobre a não necessidade de boas notas para o sucesso pessoal, assim como trabalhos sobre o insucesso de ex-primeiros alunos.

Acredita-se que o melhor modo de fazer alguém se tornar um certo tipo de pessoa, é atribuir-lhe características do tipo desejado. Dizendo à criança que ela é uma boa criança, a tendência é que assuma, de fato, o papel de boa criança. E o inverso parece ser verdadeiro.

Isso é o que a sociedade vive fazendo em relação aos papeis sociais. O soldado deve ser corajoso, o filho amoroso, a sogra ciumenta, o Psicanalista compreensivo, o banqueiro frio, o sacerdote atencioso, e assim por diante.

A sociedade define e caracteriza os diversos papeis sociais e, ao assumi-los, as pessoas devem se enquadrar naquilo que esperam deles os espectadores, sob o risco de serem excluídos do cenário social e devidamente punido.

Essa definição de papeis sociais costuma nascer dentro da família. Não é raro, em famílias com três filhos, que ao mais velho seja atribuído o papel de criança prodígio, provavelmente ao segundo, o papel de responsável e prestativo, útil à família e ao outro, possivelmente o caçula, o papel de filho difícil.

No caso de mais de três filhos, essas características podem ser diluídas e compartilhadas por mais de um filho. Pior que isso, só quando os pais idealizam papeis funcionais aos filhos: “esse vai ser jogador de futebol”, “esse vai ser médico”.

Mas a questão só é colocada dessa maneira porque ser jogador de futebol ou médico, “é o melhor para ele”.

Vejamos, então, como se desenvolve o jogo da hipocrisia familiar no esquema abaixo:
• Pai acha que ser médico é o melhor.
• O papel de pai é querer o melhor para o filho (para o filho?).
• Pai atribui ao filho a vocação de que ele deve seguir...
• Pai define - meu filho vai ser médico.
• Papel de filho é satisfazer expectativa do pai.
• Meu Filho “quer” ser médico.

Mesmo que esses pais digam que evitam opinar (ou melhor, decidir) sobre a futura profissão de seus filhos, repetindo sempre que "o importante é que ele seja feliz", ainda assim não conseguem desvincular de suas próprias felicidades e fantasias da pretensa felicidade e realização dos filhos.

Quando o filho é homem, tende a polarizar as fantasias do pai nele projetadas.

A ambição paterna não se satisfaz com tudo que o filho possa ter “copiado” do jeito do pai ser, mas aspira, inclusive, que venha a ser tudo aquilo que o pai queria ter sido e não foi.

Vejamos a ordem, do mais desejável para o menos, dos atributos ansiados pelos pais sobre seus filhos homens, juntamente com atributos pouco lembrados, mas muito importantes para a formação da personalidade:

6 qualidades mais desejadas dos pais em relação aos filhos
- heterossexual (esse vai ser homem)...
- obediente aos pais
- responsável
- trabalhador (esse coitado, nem vai poder ganhar na mega sena...)
- ordeiro
- bonito (vai ser galã de novela)....

6 qualidades muito esquecidas dos pais em relação aos filhos
- mentalmente normal
- respeitoso com todos
- honesto e leal
- alegre e animado
- carinhoso e sensível
- inteligente e culto

Sendo a filha mulher, sobre ela recairão as fantasias e aspirações da mãe.

A puberdade feminina vem acontecendo cada vez mais precocemente, e existem razões para crer que esse fenômeno possa ser devido à adaptação biológica aos anseios culturais; a mãe “fantasia” a filha de mocinha muito cedo, atribuindo a ela um papel de jovem. Isso pode favorecer uma precocidade biológica ao papel social atribuído pela família.

Essa ocorrência é mais uma prova de que o filho (ou jovem, em geral) acaba incorporando em sua pessoa o papel social a ele atribuído pela família e pela sociedade.

6 qualidades mais desejadas das mães em relação às filhas
- heterossexual
- bonita
- admirada por todos
- companheira
- bem casada
- ordeira

6 qualidades muito esquecidas das mães em relação às filhas
- mentalmente normal
- fértil
- instinto maternal
- alegre e animada
- carinhosa e sensível
- inteligente e culta

Será que após este quadro, ainda temos certeza que não influenciamos na decisão de nossos filhos ?

E tirando aprendizado disso, podemos entender o porque tantas pessoas são emocionalmente mal resolvidos e frustrados em relação as profissões que exercem....

Publicado em 11/03/2009 às 10:23 hs, atualizado em 04/09/2012 às 15:07 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

NOSSOS LEITORES JÁ FIZERAM 1 COMENTÁRIO sobre este artigo:
De: (em 10/10/2015 às 08:47 hs)
Eu também concordo
O FrontPage até que foi pioneiro no setor, mas apesar da idéia original ser boa a implementação do software foi ruim e a descontinuidade do produto só serviu de indicação de que o caminho trilhado pelos desenvolvedores foi errado porque não agradou...

Comente você também:

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 3 ARTIGOS SOBRE :
Psicoterapia na Terceira Idade
Quem sou eu, e como posso sentir-me bem comigo mesmo?
Violência doméstica, Crise de Valores e Violência

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Psicanálise e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.